Whisky

Whisky

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Malte

O malte whisky, ou simplesmente malte, é produzido apenas com cereais maltados (na Escócia, sempre a cevada) em alambiques tradicionais de cobre. Um single malt é um whisky proveniente de uma única destilaria.

Os single malts são responsáveis pelo recente interesse mundial por whiskies e estão ganhando cada vez mais espaço entre jovens de ambos os sexos em mercados maduros como a Grã-Bretanha, os Estados Unidos e o Japão, onde a tendência crescente é beber menos e saborear mais. As características que fazem essa bebida ser considerada difícil (a complexidade e a unicidade) são precisamente o que interessa a esse novo público.

Quando as pequenas destilarias escocesas começaram sua fabricação no século XV, o malte whisky era o único tipo disponível, e era quase todo consumido localmente. Era o whisky escocês original. Este whisky era muito diferente do malte que conhecemos hoje. A bebida não era maturada em barris de carvalho e sim tomada quase quente, diretamente do alambique. A bebida então ganhou fama e sua produção foi ampliada. Pequenos barris eram transportados ilegalmente no lombo de burros, por estradas secretas, para cidades vizinhas.

Porém, em meados do século XIX, tornou-se mais comum vender os blends (ainda iremos falar sobre eles). A invenção do destilador contínuo no século XIX gerou transformações importantes no whisky. Tal fato levou ao desenvolvimento do blended whisky que acabou virando sucesso internacional e quase ofuscou a categoria do whisky single malt, do qual praticamente não se falava mais. Somente em 1963, quando a William Grant & Sons decidiu promover separadamente o Glenfiddich, seu single malt, o interesse em whiskies não misturados foi despertado. Desde então, essa fatia do mercado cresceu vertiginosamente. Hoje podemos encontrá-los feitos em diversas partes do mundo, incluindo quase cada uma das cerca de 90 destilarias de malte em atividade na Escócia. Porém, vale ressaltar que os single malts representam apenas 9% das vendas mundiais.


A produção do destilado mudou pouco nos anos seguintes, e os single malts ainda são fabricados em destilarias pequenas e com as técnicas tradicionais, aperfeiçoadas com o tempo. O whisky não é mais consumido diretamente do alambique, agora passa por anos de um cuidadoso processo de maturação em tonéis de carvalho, para ser curtido e adquirir a cor e os sabores da madeira.

Por lei, um single malt deve vir apenas de uma única destilaria e, para proteger a categoria, a indústria do whisky escocês tornou ilegal o uso de termos que possam causar enganos, como “Puro Malt”. Hoje em dia, qualquer “vatting” de maltes de destilarias diferentes deve ser chamado de blended malt. Notem bem a diferença: destilarias diferentes, “blended malt”, mesma destilaria, “single malt”. Isto porque a mistura de maltes diferentes de uma mesma destilaria continua sendo um single malt.

Toda essa polêmica envolvendo denominações demonstra a seriedade e o cuidado que a indústria escocesa de whisky toma para manter a bebida na mais alta qualidade e credibilidade. E no caso do single malt, há uma história emblemática, conhecida como “Caso Cardhu”.


Em 2002, a Diageo percebeu que as vendas de sua marca Cardhu, single malt, em países como França, Espanha e Grécia cresceram tanto que não haveria estoque suficiente para atender toda a demanda e ainda, atender a contribuição do Cardhu na composição do blended Johnnie Walker. Diante disso, a Diageo resolveu misturar Cardhu com outros single malts e trocar as palavras no rótulo de Cardhu de “Single Malt” para “Pure Malt”, criando com isso o que se chama de “Vatted”, porém escrito no rótulo como “Pure Malt”.


William Grant, da destilaria do Glenfiddich, declarou que a mudança afetaria a integridade e autenticidade da indústria do single malt. O chefe executivo da Diageo se recusou a mudar as decisões já tomadas.

Outras destilarias através da SWA (Scotch Whisky Association) informaram à Diageo sobre a decepção da decisão e foi solicitado que a Comissão Europeia investigasse o caso.

Em uma árdua reunião a Diageo informou à SWA que mudaria a cor do rótulo do Cardhu para verde, para ressaltar a mudança de Single Malt para Vatted Malt. A SWA aceitou, mas algumas destilarias ainda reclamaram da aceitação. A Diageo informou que continuaria com a mudança porque entendia que a indústria deveria inovar.


Após muita discussão, em 2004, a Diageo retirou todas as mudanças feitas com Cardhu e reconheceu que julgou mal todo o caso.

Agora, quando você abrir sua garrafa de whisky, saberá que além de todo o processo criterioso da destilaria há também toda uma legislação assegurando a qualidade do produto. E a cobrança das próprias destilarias.


Boas doses.

Leitura relacionada: Os diferentes tipos de whisky


Fontes: whisky, o livro do whisky, whisky de a a y, abcw.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê sua opinião: