Whisky

Whisky

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Destilaria Tobermory fechará por dois anos


A destilaria Tobermory, localizada na ilha escocesa de Mull, encerrará sua produção em 31 de março por até dois anos como parte de um grande projeto de atualização na destilaria e em seu centro de visitantes, juntamente com uma renovação da marca Tobermory. A ideia é tentar fazer da Tobermory uma oferta mais interessante, mais especial e mais significativa para o público do whisky.

A modernização da destilaria incluirá a conclusão de um projeto de substituição e reparação de alambiques que começou há dois anos, quando um alambique foi substituído completamente e um segundo foi parcialmente substituído. O upgrade também incluirá trabalhos estruturais nos principais edifícios da destilaria, alguns dos quais remontam à abertura de Tobermory em 1798.


O centro de visitantes permanecerá aberto ao público durante o projeto, uma vez que a destilaria é uma das maiores atrações turísticas da ilha. Os arranjos foram feitos para manter a equipe da destilaria trabalhando durante o projeto e tem produzido espírito extra nos últimos 18 meses para cobrir necessidades futuras para o espírito maduro que teria sido produzido durante o fechamento de dois anos.

Tobermory é uma raridade entre as destilarias escocesas na medida em que produz dois maltes diferentes em ciclos de produção separados durante o ano. Os maltes não turfados da destilaria são vendidos sob o rótulo de Tobermory, enquanto os seus maltes turfados são vendidos sob o rótulo Ledaig. Embora as expressões de Tobermory de 10 e 15 anos de idade tenham sido largamente removidas do mercado nos últimos 18 meses, o malte de 10 anos estará disponível no centro de visitantes durante o desligamento. Os planos são o de manter o Ledaig 10 e 18 anos no mercado durante o período. Além disso, até dez expressões de edição limitada de ambas as marcas estão em preparação para lançamento durante o desligamento.


Quando a destilaria reabrir em 2019, a empresa que administra a destilaria, Distell, planeja desvendar uma nova gama sob a marca Tobermory. Os planos para essa faixa ainda estão sendo desenvolvidos, com grande parte do trabalho a ser feito por um gerente de marketing recém-contratado para o portfólio de single malt que também inclui Bunnahabhain e Deanston. Esse executivo não foi nomeado publicamente, uma vez que ainda está trabalhando para outra empresa até 01 de março.

A empresa Distell adquiriu a Tobermory em 2013 quando comprou a Burn Stewart Distillers da CL Financial por US$ 245,4 milhões de dólares. Além de Bunnahabhain e Deanston, o negócio também incluiu o blended escocês Black Bottle. No ano passado, o nome corporativo Burn Stewart foi oficialmente substituído pela Distell International Ltd.


Fonte: whiskycast.com; whiskyadvocate.com


terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Desvendando Nº 50: The Famous Grouse Finest


A empresa Matthew Gloag & Son foi aberta em 1800 como uma mercearia de vinhos e destilados em Perth. Pelas próximas gerações, a companhia cresceu bastante e começou a fazer estoques de whiskies finos através de parceria com as principais destilarias.

O blend mais vendido na Escócia foi criado pelo empresário em 1896. No início, a bebida era conhecida simplesmente como The Grouse Brand e sua filha Phillipa criou o rótulo. Mais tarde se tornou The Famous Grouse. Foi um passo bastante incomum para a época, pois todas as marcas carregavam o nome de seus fundadores. O tetraz vermelho (red grouse, em inglês) é uma ave de caça bastante comum nas Highland escocesas. A empresa passou de geração a geração até 1970, quando os impostos sobre heranças obrigaram a família a vendê-la para a Highland Distillers, que hoje faz parte do Edrington Group.

Por sua qualidade e sua consistência, o blend ganhou ótima reputação em pouco tempo, e em 1897 os anúncios da marca já traziam ao lado do nome as palavras “The Famous” (o famoso, em português) em estilo manuscrito. As vendas cresceram mais que o mercado nos 20 anos seguintes e a visibilidade dos produtos The Famous Grouse aumentou. Hoje, com vendas que chegam a quase 3 milhões de unidades por ano, a marca é uma das dez maiores do mundo.


O Edrington Group tem algumas das melhores destilarias produtoras de single malt da Escócia, entre elas, Highland Park, Macallan e Glenrothes. Naturalmente, há altas proporções desses excelentes whiskies no blend.

Ao whisky The Famous Grouse é dispensada grande importância ao processo de casamento, através do qual, depois do blending, o whisky é reduzido a 45% ABV e passa vários meses descansando em barris de xerez, para permitir que as interações entre malte, grão e água atinjam um equilíbrio. Isso gera um produto consistente, que é, então, filtrado à temperatura bastante branda de 4ºC, usando-se um filtro largo, para que se mantenham, tanto quanto possível, o sabor e a textura originais do whisky. A empresa também produz vários blended malts, com envelhecimento de 10 a 30 anos.

O que pude perceber:
Características: cor dourada, pouco corpo.
Aroma: o whisky número 1 da Escócia tem uma explosão de aromas. Difícil definir cada aroma sem se concentrar para tal. Primeiramente, o que fica mais evidente são as especiarias, provavelmente provenientes dos barris de xerez, bastante presentes. Picante, frutado e amadeirado. Um pouco de cereais mas, neste whisky, os whiskies de grãos não estão tão evidentes, embora possam ser sentidos, de maneira sutil. Um pouco de amêndoas e um certo toque defumado podem ser sentidos. Embora proporcione um certo ardor nas narinas, o álcool não se mostra muito forte. Chocolate amargo e açúcar mascavo completam esta primeira incursão pelo aroma. Com a adição de um pouco de água, evidenciam-se os cereais. Em seguida, surgem baunilha e açúcar mascavo. Nozes, amêndoas e um defumado sutil. Continua picante. Com uma pedra de gelo se torna um cereal mentolado. Mais fresco e mais suave. Mais frutado e mais cítrico também. Desta forma, sente-se um pouco mais da influência do xerez.
Paladar: no paladar é onde os whiskies de grãos ficam evidentes um pouco mais, deixando, de início, um certo amargor, que logo passa, sendo sobrepujado, então, pela baunilha. Notas de especiarias também surgem, juntamente com um amadeirado. Aparecem também amêndoas, nozes e um certo frutado. Finaliza de uma maneira um pouco picante. Possui finalização média. Com água, continuam os cereais, fica um pouco cítrico, mais suave, mas finaliza de uma forma mais picante e seca do que o normal. O gelo acabou por deixá-lo mais amargo. Os whiskies de grão tomam conta. O final é seco e amargo. Acabou que o gelo deu uma desequilibrada na bebida, não funcionou.


Whisky preferido dos escoceses. Para mim, considero um whisky sazonal, daqueles em que o paladar vai mudando com o tempo.

No início de minhas degustações de whisky, considerei como meu whisky preferido, do dia a dia, quando cheguei a ter de uma vez só, oito garrafas, para não ter o perigo de ficar sem.

Mas o paladar vai mudando com o tempo e, hoje, não o considero mais um whisky que deva ser investido para o dia a dia. Para o meu paladar, se tornou amargo demais. Não sei se foi a sua composição que mudou com o tempo ou se foi meu paladar mesmo. A verdade é que ele não desce redondo como antes. As garrafas que sobraram serviram para presentear os amigos.

De qualquer forma, acredito que o The Famous Grouse seja um whisky coringa. Com ele se estará bem em qualquer ocasião. Num happy hour com os amigos, numa festa, na balada, num churrasco, num final de dia estressante. É um ótimo blend de excelente custo x benefício, superior aos standards comumente vendidos no mercado brasileiro.




The Famous Grouse Finest

Blend Teor Alc 40%


Carvalho e xerez no nariz, bem equilibrado com uma nota cítrica. Repleto de frutas de cores vivas. Limpo, com um final moderado e seco.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Destilaria Dalmore lança Single Malt de 50 anos para marcar meio século de Richard Paterson


O malte de luxo definitivo. A destilaria Dalmore está lançando um Single Malt excepcionalmente raro, um whisky de 50 anos finalizado em cascos de champanhe Domaine Henri Giraud para marcar os 50 anos na indústria de whisky de seu Master Distiller Richard Paterson.

Como a força criativa por trás de alguns dos lançamentos mais icônicos e inovadores do mundo, Richard Paterson é visto como o pioneiro da arte de maturação e acabamento em barril, o que tem sido fundamental para o sucesso da Dalmore.

Construido sobre as comemorações em torno do 50º aniversário de Richard, a edição limitada, The Dalmore 50 anos foi meticulosamente trabalhada em parceria com quatro outras casas de luxo lendárias, para servir como um tributo apropriado a cada ano de sua ilustre carreira.

Com mais de 50 decantadores lançados, o Dalmore 50 foi amadurecido em carvalho branco americano, barris de sherry Matusalem oloroso da renomada Gonzalez Byass Bodega e barris de vinho do porto provenientes da região do D'ouro em Portugal, finalizando por 50 dias em cascos raros de champanhe Domaine Henri Giraud.

Paterson não escolheu o barril de champanhe por acaso. Considerada uma das jóias escondidas da região, a propriedade da família Domaine Henri Giraud é regularmente elogiada por especialistas de todo o mundo e é uma das únicas casas de champanhe a ainda maturar seus vinhos em barris. Os barris selecionados têm uma intensidade única e complexidade aromática, dando o florescimento final de madeira necessária para criar esta expressão excepcional.

Para realizar este whisky exclusivo, os artesãos da prestigiosa casa de cristal francês Baccarat criaram hábeis decantadores de cristal, cada um dos quais será repousado dentro de uma caixa de apresentação projetada e trabalhada pelos fabricantes de móveis Linley.

Finalmente, cada decantador será adornado com um cervo de prata sólido, criado pelos ourives Hamilton & Inches, detentores do Royal Warrant.


A história do Dalmore 50 anos:
1966: o Dalmore new make começa sua jornada em cascos de carvalho branco americano ex-bourbon.
2003: o whisky em amadurecimento é transferido para tonéis de xerez Matusalem oloroso.
2012: o whisky é transferido para tonéis de Porto.
2016: em janeiro, o espírito é transferido para barris de Bourbon, uma vez que atingiu o seu perfil de sabor desejado, antes da finalização.
2016: em novembro, o whisky é finalizado em cascos de Domaine Henri Giraud Champagne por 50 dias antes do engarrafamento.

Notas de prova: (ABV 40%)
Aroma: pedaços de laranja caramelizadas e vagem de baunilha doce.
Paladar: marmelada, café torrado e chocolate.

Acabamento: amêndoas, cerejas pretas e alcaçuz macio.


Fonte: whiskyintelligence.com

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Glenmorangie Bacalta, último lançamento da linha Private Edition


A Glenmorangie anunciou o oitavo lançamento anual na sua linha Private Edition. Em gaélico escocês para 'cozido', Bacalta é a primeira expressão da Glenmorangie terminada inteiramente em tambores de vinho Madeira cozidos ao sol.

A inspiração para esta edição limitada começou pela primeira vez há mais de 20 anos, com o lançamento do Glenmorangie Madeira Finish, o primeiro whisky do mundo extra-madurado em cascos da Madeira.

Primeiramente, os tambores de carvalho americano feitos sob medida foram tostados pesadamente. Os barris foram então temperados com o vinho Malmsey, o mais doce e mais apreciado dos vinhos da Madeira, e cozido até a maturidade no calor do sol da Madeira. Esvaziados, enviados para a Escócia e preenchidos com espírito especialmente selecionado, já amadurecido em barris ex-bourbon, os barris Malmsey emprestaram camadas complexas de doçura para o Glenmorangie Bacalta.

Os conhecedores logo perceberão o calor radiante dos barris cozidos ao sol nos aromas de Glenmorangie Bacalta, de damascos maduros, chocolate branco e notas minerais. Sabores complexos de toffee de hortelã, frutas assadas, favo de mel, amêndoas e tâmaras, misturando-se com pimenta branca e melão, e um rico acabamento xaroposo. Glenmorangie Bacalta é uma explosão de luz do sol em um copo.

Engarrafado em 46% ABV e não filtrado a frio, Glenmorangie Bacalta está disponível em lojas de whisky especializadas em todo o mundo a partir de £79.

Notas de Prova:
Cor: ouro.
Nariz: perfumado, mel e doce. Alguns damascos maduros e uma nota curiosa de minerais, seguido por chocolate branco doce. Um pouco de água traz um clássico tom balsâmico, com uma sugestão de pão cozido, maltado e notas de biscoito, flores de prado e pêssego.
Sabor: uma explosão inicial de toffee de hortelã, com frutas assadas, com laranjas caramelizadas e damascos, favo de mel, amêndoas, chocolate ao leite, pimenta branca e madura, melão suculento.
Finish: rico, xaroposo, com frutas cítricas caramelizadas e peras, fudge cremoso, mas sempre com uma intrigante sensação mentolada, com eucalipto no fundo.


Fonte: whiskyintelligence.com

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Glenmorangie lança coleção Vintage


A Glenmorangie acaba de anunciar o lançamento da nova coleção vintage da destilaria, Bond House No. 1. Esta coleção exclusiva de lançamentos limitados explora as origens das mais prestigiosas reservas de whisky envelhecido da Glenmorangie, cada uma destilada em um único ano. A expressão inaugural, Glenmorangie Grand Vintage Malt 1990, conta a sua própria história, a de um espírito extraordinário que surgiu contra todas as probabilidades, de uma colheita muito desafiadora.

A Bond House No. 1 da Glenmorangie apresenta a individualidade dos maltes vintage mais complexos e elegantes da destilaria. Adequadamente, a coleção tem o nome do maior dos armazéns da Glenmorangie no século 19. O Armazém No. 1 era o lar dos barris da destilaria. Mas em 1990, quando a Glenmorangie procurava atender à crescente demanda, seu papel era mudar completamente. 

O entreposto aduaneiro n. º 1 foi transformado em uma majestosa casa, com alambiques de cobre conhecidos como o mais altos na Escócia. Sua estatura garante que os vapores percorram a longa distância até o topo, proporcionando um espírito mais suave e elegante. Hoje, Bonded Warehouse No. 1 é o coração da criação de whisky da destilaria, reverenciado como a catedral da Glenmorangie.

Glenmorangie Grand Vintage Malt 1990 marca o ano da mudança na Destilaria, também memorável por outra razão. A colheita de cevada do verão anterior revelou-se problemática para os fabricantes de whisky em 1990. Foi difícil de processar e só através do domínio de grande habilidade que a Glenmorangie foi capaz de criar uma pequena quantidade de novo espírito. Contra as probabilidades, e para o deleite de seus criadores, este espírito provou ser sublime. Detectando seu potencial, a destilaria cuidou do espírito durante 25 anos em barris ex-bourbon e barris de ex-sherry selecionados.

O resultado, Grand Vintage Malt 1990, é um whisky definido pela sua elegância e aromas florais e frutados. É engarrafado em 43% ABV com preço de £495. Está disponível a partir de varejistas especializados em whisky.

Glenmorangie Grand Vintage Malt 1990 notas de prova:
Cor: ouro profundo.
Nariz: notas florais e frutadas; mel de urze misturado com flor de laranjeira, frutas cristalizadas, pêra e maçã. Este bouquet complexo é complementado por uma nota pungente e distintiva de cera de abelha.
Sabor: a sensação inicial é sedosa, cremosa e reveste a boca, deliciosamente suave. Sabores doces de xarope de laranja, favo de mel, baunilha, e algumas notas de groselha e mentol.
Acabamento: o frutado continua com maçãs assadas e peras, algumas notas mais profundas de açúcar mascavo, malte e sabores de biscoito. Uma leve sugestão de cravo e de carvalho.


Fonte: whiskyintelligence.com


terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Desvendando Nº 49: Grant's Family Reserve

Finalmente, após um período merecido de férias, estamos de volta e retomando as atividades do blog. Espero que os leitores tenham tido um ótimo final de ano, aproveitado bem as festas e entrado com o pé direito em 2017. Este ano promete. E aqui no blog terá muitas novidades. Começaremos as atividades deste ano com o review de um blend bem conhecido no mercado, bem acessível e de ótimo custo benefício.


A Wiliam Grant & Sons é recohecidamente uma propriedade de família independente por convicção. Como tal, não é tão surpreendente descobrir que a base de sua série de blended whiskies é seu próprio single malt Glenfiddich, combinado com The Balvenie e o pouco conhecido Kininvie, da terceira destilaria do extenso complexo de Speyside.

O que talvez não seja tão valorizado é que Grant's também produz o próprio whisky de grão, e o faz desde 1963, quando uma divergencia entre a Distillers Company levou Charles Gordon, bisneto do fundador, a acreditar que os suprimentos de whisky de grão poderiam estar vulneráveis. Determinado a não confiar no acaso, resolveu construir uma destilaria de grão em Girvan. 

Historicamente, não se trata de um grande centro de destilação. Gordon escolheu o local pela facilidade de acesso ao porto próximo, onde os carregamentos de milho americano podiam ser entregues com segurança e tranquilidade. Ironicamente, tal foi o sucesso dos blends Grant's que uma nova destilaria foi inaugurada em Girvan para fornecer malt whisky adicional, a Ailsa Bay. O blend mais vendido do conjunto é o Grant's Family Reserve, que possui praticamente distribuição mundial. A produção de blended whisky permanece fiel à garrafa triangular que caracteriza as bebidas da empresa.


O que pude perceber:
Características: cor palha claro, médio corpo.
Aroma: defumado, álcool pouco perceptível. Whiskies de grãos suaves combinados com um malte agradável. Cereais. Amadeirado. Baunilha. Adicionando um pouco de água fica mais suave e floral. O álcool some definitivamente, tornando-se quase imperceptível. O defumado diminui e a baunilha fica um pouco mais evidente. Os cereais continuam mostrando as caras. Com uma pedra de gelo pronuncia ainda mais os whiskies de grãos. Cereais e baunilha predominam. O defumado some. Continua suave.
Paladar: suave, um pouco frutado e cereais. É cremoso no palato. O álcool continua não muito perceptível. A baunilha aparece junto com o amadeirado. O defumado sentido no aroma não é precebido no paladar. Finalização seca e média. Com um pouco de água continuam os cereais, provenientes dos whiskies de grãos, só que agora mais acentuados. Fica mais doce e a baunilha se sobressai, junto com um amadeirado dos barris. Com uma pedra de gelo continua os cereais, desta vez, com um toque um pouco amargo. Os whiskies de grãos tomam conta. A finalização também fica um pouco amarga.

Na minha opinião um whisky simples que pode agradar muitas pessoas. Fácil de beber, servirá como um parceiro para o dia a dia pelo seu sabor agradável e não ser muito forte. Conheço muita gente que tem o Grant's como seu whisky favorito. O gelo não funcionou muito bem neste whisky. Funcionou melhor puro ou com a adição de um pouco de água.

É um whisky com bom custo benefício mas, confesso que prefiro o restante da família, já apresentada aqui no blog.




Grant's Family Reserve

Blend Teor Alc 40%


Um nariz de Speyside inconfundível, com notas de malte. Uma sensação gustativa firme, com equilíbrio entre a doçura da banana e da baunilha e as notas de malte amargo. Limpo, mas muito complexo, com final longo e uniforme.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Toulvaddie Distillery será a primeira destilaria a ser fundada por uma mulher em quase 200 anos


Em uma indústria de séculos de tradição, pode ser difícil começar algo novo que se destaque da multidão. No entanto, Heather Nelson está tentando fazer exatamente isso. Em um antigo campo aero-naval em Ross-shire, nas Highlands, Toulvaddie Distillery será a primeira destilaria de whisky escocês a ser fundada por uma mulher em quase 200 anos, e a única a ser fundada exclusivamente por uma mulher.

Toulvaddie Distillery será uma micro destilaria de whisky com capacidade para produzir cerca de 30.000 litros de álcool por ano. Os alambiques são de tamanho e forma semelhantes aos usados pelos "contrabandistas" de whisky no passado. Este tamanho permite que todo o processo possa ser feito à mão.

As mulheres sempre estiveram envolvidas na produção de whisky. Das esposas de fazendeiros onde funcionaram os alambiques ilícitos após a união entre Escócia e Inglaterra em 1707 até os CEOs atuais das destilarias. Quando perguntada porque decidiu construir uma destilaria, Heather responde que a quantidade de destilarias existentes que produzem sabores tão diferentes e o estudo do que influencia esses sabores a atraiu. Foi quando começou a olhar o processo mais profundamente. E quanto mais estudava, mais forte era o seu desejo de realmente fazer o seu próprio espírito.


A destilaria deverá ser construída no local de uma velha base aérea da Marinha Real onde os pilotos dos bombardeiros eram treinados em como aterrar nas plataformas de porta-aviões.


Fonte: whiskyintelligence.com